Weby shortcut
Doreen_Massey

Nota de falecimento: Doreen Massey (1944-2016)

A geógrafa Doreen Massey faleceu na última sexta-feira, 11 março de 2016, aos 72 anos. Nascida em 3 de janeiro de 1944 em Manchester, Inglaterra, era professora emérita de Geografia na Open University (Inglaterra).

Nascida em uma família de classe operária, Massey tinha compromisso político em suas ações, inclusive no trabalho acadêmico na Open University. Feminista e socialista, ela trabalhou com temas envolvendo a Geografia Feminista, Geografia Cultural e Geografia Marxista.

Dentre muitos prêmios e honras em que foi ganhadora, um deles foi o prêmio Vautrin Lud, o “Nobel” da Geografia, em 1998.

Alguns poucos artigos foram traduzidos para o português e publicados no Brasil, como por exemplo, “Um Sentido Global do Lugar”, publicado no livro “Espaço e Diferença”; “Pensamentos Itinerantes”, publicado recentemente na Revista Terra Livre, n. 27 e o artigo “Filosofia e Política da Espacialidade: algumas considerações”, publicado na Revista GEOgraphia, n. 6, da UFF. Em 2008 foi publicado, em português, a primeira edição do livro “Pelo Espaço: Uma Nova Política da Espacialidade”, uma tradução do livro original “For Space” (2005). Seus artigos e livros feministas não estão traduzidos no  Brasil.

Por sua contribuição dada para distintas vertentes teóricas e áreas temáticas da disciplina, o falecimento de Massey é fortemente sentido pela comunidade geográfica. Neste momento, torna-se oportuno recuperar do pensamento socioespacial da geógrafa sua insistência no caráter contingente da realidade e sua compreensão do ‘lugar’ como uma esfera do encontro das distintas e múltiplas trajetórias. As marcas do pensamento e ação de Massey como geógrafa feminista e socialista na Geografia mantêm-se, portanto, vivas em nossos cotidianos acadêmicos e embates políticos, fazendo-nos crer nas suas formulações sobre a possibilidade de alcance de novas configurações nas geometrias de poder, de uma emancipação politizada das diferenças e no desenho de paisagens políticas mais desafiadoras e expandidas para a realidade socioespacial.

Doreen Massey nos deixa um grande legado para pensarmos o espaço, para ela: “importa o modo com pensamos o espaço; o espaço é uma dimensão implícita que molda nossas cosmologias estruturantes. Afeta o modo como entendemos a globalização, como abordamos as cidades e desenvolvemos e praticamos um sentido de lugar. Se o tempo é a dimensão da mudança, então o espaço é a dimensão social. E isso é ao mesmo tempo um prazer e um desafio” (MASSEY, “Pelo Espaço”, 2008).